Voltar à disposição inicial da página.

Restaurar

China: Mulher é obrigada a abortar aos 7 meses de gestação

Feng Jianmei foi obrigada a abortar por não ter dinheiro para pagar uma multa por exceder o limite de filhos determinados pelas leis chinesas.

Esta barbárie ocorreu num hospital da província de Shaanxi. A mulher, grávida de sete meses, não conseguiu pagar os 4975 euros de multa e foi mais uma vítima da política chinesa de limitação da natalidade.

O caso tornou-se ainda mais polémico depois da família de Feng ter negado a autorização da mãe para a realização do aborto. Segundo os familiares, Feng e o marido estavam contra esta decisão, mas foram forçados a cumpri-la.

A história de Feng Jianmei mostra que a política de um filho continua a permitir a violência contra as mulheres todos os dias”, disse à AFP Chai Ling, de um grupo de defesa dos direitos humanos sedeado nos Estados Unidos.

O que as autoridades [de Shaanxi] fizeram representa uma violação grave das políticas nacionais e provinciais e dos regulamentos sobre a população e planeamento familiar”, apontou um responsável da comissão de natalidade daquela província.

O governo local emitiu um pedido de desculpas ao casal e anunciou a suspensão de funções de três dos seus membros, incluindo o director do gabinete de planeamento familiar.

A lei de “um só filho” prevê que os casais possam ter apenas um único filho nas zonas urbanas e dois nas rurais e apenas se o primeiro for do sexo feminino. Existente dede 1970 tem como objectivo controlar o crescimento da população.

Deixe um Comentário